20 septiembre 2017

O Ministro dos Negócios Estrangeiros de Cuba, Bruno Rodriguez, assinou hoje nas Naçoes Unidas o Tratado sobre Proibiçao das Armas Nucleares, durante a cerimónia de adesão ao tratado multilateral.

Cuba e outros 40 estados subcsreveram a iniciativa adoptada no passado 7 de Julho, que estabelece a proibição do desenvolvimento, ensaio, produção, aquisição, posse, armazenamento ou transferência, assim como a ameaça de uso dos artefactos letais, considerados um grave perigo para a sobrevivência humana.

O acordo abrange a obrigaçao de assistência às vitimas e de atender aos danos ambientais decorrentes dos ensaios com armas nucleares, e deixa em aberto a possibilidade de os chamados Estados possuidores aderirem ao tratado, depois de cumprirem os requisitoos fixados no mesmo.

Numa nota de imprensa, Cuba assegurou que a assinatura deste tratado constitui um passo em frente fundamental na direcçao do desarmamento nuclear, que contribuirá de forma significativa para atingir um mundo livre de armas nucleares.

A maior ilha das Antilhas ratificou o seu compromisso com o objectivo de libertar a espécie humana do perigo que na actualidade repreresenta a existência de 15 mil desses meios de exterminio, dos quais 1.800 prontos a usar.

Com este Tratado, a comunidade internacional deixou claramente estabelecido que as armas nucleares não são só desumanas, imorias e eticamente indefensáveis, como também ilegais, sublinhou.

Antes de declarar a convenção aberta à assinatura, o secretário geral da ONU, António Guterres, qualificou-a como histórica emostrou-se reconhecido aos países que a promoveram e apoiaram, assim como à sociedade civil.

A iniciativa, o primeiro tratado multilateral de desarmamento conseguido nas últimas duas décadas, entrará em vigor 90 dias depois da sua ratificação por 50 estados.

 

Fonte - CubaDebate