Donald Trump, escolheu Miami para assinar e proferir uma Diretiva num ambiente de espetáculo cinematográfico ao jeito de uma qualquer fita de aventuras de Hollywood.

Escolheu para o aplauso, o local adequado; estava rodeado de amigos do peito. Gente com cadastro no terrorismo internacional, com provas dadas em ações de terror, que causou ao Povo de Cuba milhares de vítimas.

Trump reclama os Direitos Humanos para uma nação, onde o povo tem acesso à educação gratuita, à cultura, à saúde e à livre opinião. País onde o Povo elege de forma direta os seus dirigentes a todos os níveis da vida politica e, onde essa participação é elevadíssima, coisa que, em nenhuma das situações mencionadas os E.U.A. garante ao seu próprio povo.

Temos no entanto de referir que a proclamação de tal diretiva não nos surpreendeu.

 

Intervenção que vem na linha daquilo que tem sido a política e prática do Imperialismo na senda internacional. As razões mencionadas para a decisão imperial de Trump, projetada ao seu estilo muito peculiar, tinha tudo para nos proporcionar um bom momento de diversão, não fora o facto de, tal diretiva ter muito que se lhe diga dos intentos que a motivaram: Trump, e quem ele representa, não quer exemplos como o de Cuba à porta de casa.

Trump quer eleições em Cuba com muitos partidos e, enquanto assim não for, haverá bloqueio! Assim sendo vamos todos ficar à espera do anúncio por parte dos E.U.A. de impor o Bloqueio total à Arábia Saudita pelas mesmas exigências que são feitas a Cuba.

A causa dos Direitos humanos para os Estados Unidos, que têm dado cobertura às suas intervenções diretas ou indiretas em vários estados soberanos, tem-se visto no que tem dado e, quando não o conseguem através de estados cúmplices, utilizam o terrorismo. É só atentarmos ao que se passa no Médio Oriente.

O Estado Cubano, na sua proclamação a propósito do anúncio do Presidente Trump, reflete com clareza o que é o sentido de Estado e marca a diferença entre o que é uma política de Paz e uma política de guerra, de agressão e de arrogância extrema.

A Associação de Amizade Portugal Cuba reafirma com veemência toda a solidariedade ao Povo Cubano e ao seu Governo Revolucionário e continuará a lutar com toda a sua energia contra o vergonhoso Bloqueio imposto ao Povo de Cuba.

A presença dos Estados Unidos no mundo está coberta de sangue e são seus cúmplices todos quantos lhe dão cobertura para que atinjam os seus intentos e a comunicação social é parte importante na sua estratégia.

Temos de estar atentos. A luta pela Paz, e o apoio solidário e internacionalista a todos os povos que lutam pela sua soberania e resistem aos intentos usurpadores e hegemónicos do Imperialismo têm hoje uma importância capital.

O Bloqueio será vencido!

Cuba vencerá!